quinta-feira, 31 de julho de 2008

Parlamentares brasileiros... quanto nos custa manter estes barões?

Impostos, impostos e mais impostos.
A carga tributária brasileira é uma das mais altas do mundo.
A arrecadação de impostos é recorde, mesmo sem a antiga CPMF, mas o governo quer mais e insiste na volta da mesma, com o nome de CSS.
O retorno à nossa sociedade é mínimo, a não ser através de programas populistas que só fazem acostumar seus beneficiários ao ócio remunerado.
A saúde, educação, transportes, habitação, saneamento e previdência, deixam a desejar.
Mas há sempre dinheiro e verbas para alguns eleitos, entre eles, os ilustres defensores e representantes do povo, os parlamentares.

E quanto custam nossos parlamentares? Você sabe?

Assista a reportagem apresentada no Bom dia Brasil, da Rede Globo.



video
































































































domingo, 27 de julho de 2008

Desmatamento das florestas brasileiras. Detê-lo é uma missão de todos.

Fonte: Estadão Online)


O ministro do Meio Ambiente, Proteção da Natureza e Segurança Nuclear da Alemanha, Sigmar Gabriel, afirmou na segunda-feira (27) ser "uma missão enorme" a do governo brasileiro tentar deter o desmatamento diante da alta de preços de ração animal. "É uma tarefa difícil", afirmou Gabriel, no primeiro dia de sua viagem oficial ao Brasil. Até sexta-feira (2), quando termina sua missão, o ministro deverá cumprir uma agenda com três pontos básicos: desmatamento, biocombustíveis e preparativos para 9ª Conferência das Partes da Convenção (COP-9) sobre Diversidade Biológica, marcada para maio, em Bonn.
Gabriel deverá fazer uma visita ao Pará, onde poderá ter uma mostra sobre o desmatamento no País. O ministro não quis fazer comentários sobre a retomada do ritmo de derrubada das florestas no Brasil. Questionado sobre o assunto, ele disse que, em seu primeiro dia de viagem, seria precipitado fazer qualquer tipo de avaliação. Mas mostrou preocupação em relação à pressão sobre as florestas - que, em sua avaliação, está intimamente ligada ao aumento de preços dos produtos agrícolas usados para ração animal. "Esses preços favorecem agricultores, mas têm um efeito prejudicial: o incentivo à devastação das florestas."
Na manhã de segunda-feira (27), Gabriel encontrou-se com a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. Ao colega, Marina mostrou números sobre operações para conter o desmatamento, prisões feitas e processos abertos. O ministro alemão considerou os números "impressionantes", sem, porém, deixar de reforçar a necessidade de se tentar conter tal efeito. "Essa é uma missão enorme."
A Alemanha assume a presidência da COP-9 em maio, no lugar do Brasil que desde 2006 exerce o posto. No encontro com Marina, Gabriel pediu apoio para uma missão que considera essencial: avançar a negociação sobre o regime internacional sobre acesso e repartição de benefícios (ABS), um mecanismo para incentivar países a proteger seus recursos genéticos. "Somente no momento em que países de beneficiarem economicamentoe do uso desses recursos é que países terão incentivo para preservá-los. É a forma mais eficaz de se garantir proteção das espécies", afirmou Gabriel.
Na avaliação de Marina, esse recurso seria essencial para conter o desmatamento. E, novamente, ela defendeu a criação de um fundo voluntário de incentivo para países que reduzirem a emissão de CO2. "É tão difícil para países ricos mudarem sua matriz energética para fontes renováveis quanto para países em desenvolvimento mudar sua forma de produção", justificou. Para que a tarefa dos países em desenvolvimento seja mais fácil, completou, é essencial a transferência de tecnologia, auxílio para que os países mudem sua forma de produção.
A viagem de Gabriel é também uma missão preparatória para a visita da chanceler Angela Merkel ao Brasil, em maio. No encontro, será assinado um acordo na área energética entre os dois países.
A Alemanha é o segundo maior doador para projetos na área ambiental. No Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais do Brasil (PPG7), que financia projetos na Amazônia e na Mata Atlântica, nos últimos doze anos, a Alemanha é a principal doadora. O secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco, afirmou que, de 1995 para cá, o Brasil recebeu do PPG7 US$ 280 milhões.

sábado, 26 de julho de 2008

CPI das ONG's, será que vai pra frente?

A notícia dada pelo senador Heráclito Fortes, sobre ONG's, já nos dá uma mostra do que há por detrás do tapume, da cortina, por baixo do tapete, do iceberg, ..., como queiram.

Será que a CPI das ONG's vai mesmo pra frente?

Vejam o filme, que chega a ser cômico, apesar de preocupante.
video

quarta-feira, 9 de julho de 2008

A vinda do primeiro filho - mudanças na vida do casal.

Ana Silvia Teixeira - Terapeuta de Família

Como evitar que as dificuldades naturais desta etapa influenciem negativamente a vida da futura família que se inaugura?
Parece haver um consenso, pelo menos por parte daqueles que já passaram pela experiência, de que a chegada do primeiro filho mobiliza muito mais do que a dos outros que vêm a seguir. Trata-se de uma mudança de status radical na vida do casal. Eles dão um salto para uma nova etapa do seu desenvolvimento e avançam uma geração.
Inaugura-se um nova família: Homem e mulher têm novos papéis a desempenhar e novas responsabilidades a assumir como pai e mãe. Deixam de ser cuidados pela geração mais velha, para serem cuidadores de uma geração mais jovem.
No entanto, não é somente a vida do casal que passa por transformações. Toda a família de origem também acompanha este processo. Há uma grande movimentação no campo emocional e todos mudam de status. Cada qual tem um novo papel a exercer. Quem não era, agora passa a ser avô, avó, tio, tia, etc...
Neste meio tempo, surge a necessidade do casal se organizar para encarar as demandas da nova etapa.
Ouvimos normalmente as pessoas falarem sobre chá de bebê, quarto, berço e tantas outras providências práticas. No entanto, raramente ouvimos sobre as tarefas familiares que o casal tem a cumprir para ultrapassar esta etapa com sucesso e que são fundamentais para estruturar as bases do relacionamento da nova família, permitindo um desenvolvimento sadio aos seus membros. Vamos a elas:
para a chegada da criança o casal precisará abrir espaço tanto físico, na casa onde mora, quanto emocional, no seu relacionamento, que antes era a dois. Isto significa que homem e mulher deverão cuidar de equilibrar, dentro do possível, seus papéis como pai e mãe, marido e mulher, companheiros, amigos, parentes, etc. Mas ainda deverão cuidar muito bem das fronteiras da nova família: como são principiantes, todos se sentem no direito de invadir e dar palpites. O retorno a casa, depois do nascimento do bebê, é delicado. No período em que deveriam ter mais sossego é que recebem o maior número de visitas, com mil conselhos e opiniões de como devem fazer isto ou aquilo. Durante estas visitas, muitas vezes pais e bebê ficam estressados, mas quem acaba expressando esse incômodo é o bebê, através do seu choro desenfreado. É até surpreendente quando, depois da saída da última visita e com a volta ao clima de tranqüilidade da casa, ele milagrosamente pára de chorar.
não existe manual que ensine como ser pai e como ser mãe. Cada um dos pais viverá, ao seu tempo e ao seu modo, a oportunidade ímpar de desenvolver este aprendizado através da construção da relação com o próprio filho. Deverão aprender a colocar limites e a exercer a autoridade necessária. O casal deverá tomar cuidado para não criticar um ao outro, ou mesmo influenciar na construção da relação que, no caso de pai/filho e mãe/filho, é tão somente a dois; deverá abrir espaço e tempo para intimidade entre as díades pai/filho, mãe/filho, homem/mulher, e também para o grupo pai, mãe e filho como família. Cada um dos membros aprenderá sobre esta noção de fronteiras das relações e aprenderá a respeitar seus limites. É como se fosse uma dança que flui, individual, a dois, a três, e até em ciranda de grupo, quando estão com as famílias de origem.
tanto o homem quanto a mulher trazem de suas famílias de origem um modelo de educação que envolve hábitos, comportamentos, atitudes, cultura, etc. Podemos dizer que este modelo que cada um traz consigo forma uma bagagem de vida, que a todo e qualquer momento deve ser revista conjuntamente, pois são muito diferentes uma da outra. Quando os dois conseguem perceber e aproveitar o que há de melhor em cada uma das duas bagagens para formarem uma terceira, passam a não ter mais necessidade de disputar sobre qual é aquela que educa melhor, se a do homem ou a da mulher. E aí sim, os dois estarão construindo o modelo da sua nova família, para através da sua cumplicidade, dar o melhor e mais precioso presente para seu filho: uma referência única para que ele se sinta seguro e siga o caminho do seu desenvolvimento de maneira saudável.
Apresentamos, a seguir, as tarefas das famílias de origem. Por que não? Se elas também são influenciadas com a chegada do bebê, nada mais justo do que cumpram algumas tarefas, muito simples de se descrever, porém muito difíceis, sob o ponto de vista de cada um dos envolvidos, de se executar. Vamos a elas:
cabe aos avós passarem para uma posição secundária, de maneira a permitir que seus filhos, agora pais, exercitem a principal autoridade paterna e materna, ou seja, respeitar as fronteiras do casal, na qualidade de pais, e da nova família.
cabe aos avós, irmãos, tios e primos dos novos pais estabelecerem uma relação carinhosa com a criança, fazendo parte deste período de transição em que a intimidade é permitida, porém, sem a carga de responsabilidade que a paternidade/maternidade requerem.
Portanto, é fundamental que o casal se organize e se adapte às novas circunstâncias desta etapa, para atingir o equilíbrio necessário ao desenvolvimento saudável da nova família. Se surgirem dificuldades, há que se buscar a orientação e os serviços de um profissional especializado.

terça-feira, 8 de julho de 2008

Fobia social é coisa séria.

Todos sabemos que a nossa cultura valoriza a magreza, principalmente a feminina e qualquer sinal de sobrepeso pode fazer com que a pessoa se torne vítima de comentários maldosos. Esta situação faz com que, muitas vezes, o obeso evite situações sociais e deixe de freqüentar ambientes por se sentir incomodado com o que os outros pensam sobre seu corpo

Embora o isolamento social possa ser uma opção feita por algumas pessoas, é necessário avaliar se este comportamento está relacionado a algum distúrbio mais grave. Enquanto para alguns, esta forma de isolamento é fruto de uma escolha consciente, para outros ela pode ser conseqüência de um quadro de fobia.
Saber diferenciar o isolamento social voluntário do isolamento social causado por fobia, é um fator decisivo para o tratamento do problema. Fobia, de um modo geral, é um medo infundado, motivado por algum objeto ou situação real ou imaginária. Normalmente, inicia-se na infância ou na adolescência, tem evolução crônica, e tende a não desaparecer sem tratamento. Caracteriza-se pela presença de forte reação de ansiedade sempre que a pessoa enfrenta ou vai enfrentar uma determinada situação.
“O ser humano precisa do contato com outraspessoas para se desenvolver e ter uma vida plena. Qualquer forma de isolamento social pode trazer prejuízos à vida do indivíduo”
Existem diferentes tipos de fobias, entre as quais pode-se citar a hidrofobia, que é o temor de água; a claustrofobia, que é o temor de lugares fechados; a misofobia, que é o temor de sujeira ou de contágio; e muitas outras. A fobia social ocorre devido ao medo de situações sociais, e traz grandes prejuízos no campo pessoal.
O fóbico social deixa de conviver com grupos de amigos e sente-se mal ao freqüentar o ambiente educacional e o de trabalho. Evita fazer esportes coletivos e freqüentar academia. Todos estes comportamentos são adotados com o intuito de evitar o convívio com grupos de pessoas, que são percebidos como ameaçadores. Quando precisa enfrentar situações sociais, o fóbico sente fortes reações de ansiedade, como calafrios, tonturas e azia. Esses sintomas aumentam ainda mais o temor de vivenciar situações semelhantes no futuro e provocam mudanças em sua trajetória de vida para evitar contato com outras pessoas.
Conforme dito anteriormente, é muito importante diferenciar o isolamento social voluntário daquele gerado por quadros de fobia. Considerando que o ser humano precisa do contato com outras pessoas para se desenvolver e ter uma vida plena, qualquer forma de isolamento social pode trazer prejuízos à vida do indivíduo. Entretanto, quando o isolamento social é fruto de um quadro fóbico, deve-se ter atenção redobrada. O tratamento adequado nesses casos é a psicoterapia, que ajuda a resolver conflitos e prevenir recaídas.
O ser humano é complexo e está o tempo todo influenciando e sendo influenciado por pessoas e situações. É normal e até esperado que surjam problemas em sua trajetória de vida. O importante é identificar e tratar a tempo esses problemas, para evitar que a vida se torne um fardo pesado para si e para os que estão a sua volta.

Data de publicação: 24/07/2006

Flávia Leão FernandesCRP 06/68043 Psicóloga clínica, Mestre em Psicologia pela Universidade de Londres, Inglaterra e especialista em Psicologia Hospitalar com enfoque em obesidade.

terça-feira, 1 de julho de 2008

O Princípio 90-10

Que princípio é esse?

Os 10% da vida estão relacionados com o que se passa com você, os outros 90% da vida estão relacionados com a forma como você reage ao que se passa com você.

O que isto quer dizer?

Realmente, nós não temos controle sobre 10% do que nos sucede.
Não podemos evitar que o carro enguice, que o avião atrase, que o semáforo fique no vermelho.
Mas, você é quem determinará os outros 90%.

Como?

Com sua reação!

Exemplo:

1ª alternativa:
Você está tomando o café da manhã com sua família. Sua filha, ao pegar a xícara, deixa o café cair na sua camisa branca de trabalho. Você não tem controle sobre isto.

O que acontecerá em seguida será determinado por sua reação.

Então, você se irrita.
Repreende severamente sua filha e ela começa a chorar.
Você censura sua esposa por ter colocado a xícara muito na beirada da mesa.
E tem prosseguimento uma batalha verbal...

Contrariado e resmungando, você vai mudar de camisa.
Quando volta, encontra sua filha chorando mais ainda e ela acaba perdendo o ônibus para a escola.
Sua esposa vai para o trabalho também contrariada.

Você tem que levar sua filha de carro pra escola.
Como está atrasado, dirige em alta velocidade e é multado.
Depois de 15 minutos de atraso, uma discussão com o guarda de trânsito e uma multa, vocês chegam à escola, onde sua filha entra, sem se despedir de você.

Ao chegar atrasado ao escritório, você percebe que esqueceu sua maleta. Seu dia começou mal e parece que ficará pior. Você fica ansioso para o dia acabar e quando chega em casa, sua esposa e filha estão de cara fechadas, em silêncio e frias com você.

Por quê?

Por causa de sua reação ao acontecido no café da manhã.

Pense, por quê seu dia foi péssimo?

A) por causa do café?
B) por causa de sua filha?
C) por causa de sua esposa?
D) por causa da multa de trânsito?
E) por sua causa?

A resposta correta é a da letra "E".

Você não teve controle sobre o que aconteceu com o café, mas o modo como você reagiu naqueles 5 minutos foi o que deixou seu dia ruim.

2ª alternativa:
O café cai na sua camisa, sua filha começa a chorar e então você diz a ela, gentilmente: "está bem, querida, você só precisa ter mais cuidado".
Depois de pegar outra camisa e a pasta executiva, você volta, olha pela janela e vê sua filha pegando o ônibus.
Dá um sorriso e ela retribui dando adeus com a mão.

Notou a diferença?

Duas situações iguais, que terminam muito diferentes. Por quê? Porque os outros 90% são determinados por sua reação.

Aqui temos um exemplo de como aplicar o Princípio 90/10.

Se alguém diz algo negativo sobre você, não leve a sério, não deixe que os comentários negativos te afetem, reaja apropriadamente e seu dia não ficará arruinado.

Como reagir a alguém que lhe atrapalha no trânsito?
Você fica transtornado? Golpeia o volante? Xinga? Sua pressão sobe?
E o que acontecerá se você perder o emprego?
Vai ficar preocupado, angustiado, perder o sono e adoecer?

Isto não funcionará!

Use a energia da preocupação para procurar outro trabalho.
Seu vôo está atrasado, vai atrapalhar a sua programação do dia. Por quê manifestar frustração com o funcionário do aeroporto?
Ele não pode fazer nada.
Use seu tempo para estudar, conhecer os outros passageiros.
Estressar-se só piora as coisas.

Agora que você já conhece o Princípio 90/10, utilize-o.

Você se surpreenderá com os resultados e não se arrependerá de usá-lo.
Por desconhecerem o poder de escolher suas reações diante dos acontecimentos, milhares de pessoas estão sofrendo e se estressando desnecessariamente. E o estresse destrói nossa saúde e nos envelhece.

Todos devemos conhecer e praticar o Princípio 90/10.

Pode mudar a sua vida!