sábado, 15 de maio de 2010

Feijões ou problemas?

Autor desconhecido

Reza a lenda que um monge, próximo de se aposentar, precisava encontrar um sucessor. Entre seus discípulos, dois já haviam dado mostras de que eram os mais aptos, mas apenas um o poderia.

Para sanar as dúvidas, o mestre lançou um desafio para pôr a sabedoria dos dois à prova: ambos receberiam alguns grãos de feijão e que deveriam colocá-los dentro dos sapatos, para então empreender a subida de uma grande montanha.

Dia e hora marcados, começa a prova. Nos primeiros quilômetros, um dos discípulos começou a mancar. No meio da subida, parou e tirou os sapatos. As bolhas em seus pés já sangravam, causando imensa dor. Ficou para trás, observando seu oponente sumir de vista.

Prova encerrada, todos de volta ao pé da montanha, para ouvir do monge o óbvio anúncio. Após o festejo, o derrotado aproxima-se e pergunta como é que ele havia conseguido subir e descer com os feijões nos sapatos:

- Antes de colocá-los no sapato, eu os cozinhei..

MORAL DA HISTÓRIA:

Carregando feijões ou problemas, há sempre um jeito mais fácil de levar a vida. Problemas são inevitáveis...já a duração do sofrimento, é você quem determina.

2 comentários:

Annah disse...

O DIA EM QUE VC MORREU..
Corro na noite, atordoada,
atravessando a estrada deserta,
meu coração bate, desvairado,
nó que se agiganta e me aperta.
No quarto,encontro sem chama,a morte..
Sacudo-te, grito, chamo por ti, aflito,
buscando tua luz perdida,
mas, já não tinhas o ás da vida,
senta-se no sofá e chora.
Atiram teu corpo num caixão
e a tampa é cerrada, choro e comoção
acompanham tua retirada,
em lágrimas, lavo minha dor.
Recuperando o fôlego perdido,
de luto saio ainda confusa e aturdida
Envolto em silêncio ameno
repousas em teu rosto, agora sereno,
permanece de olhos vendados.
resta-me consolo por saber
que finalmente dormes em paz.
O silêncio retorna,
flores cansadas e luz de velas
decoram a saudade que nos adorna.
Pela fadiga fecho olhos a triste dia,
consolando a tua morte em vida..

Ilza Nascimento disse...

Linda escolha, Sergio! Bom seria se todos nós soubéssemos levar a vida de forma mais leve! Beijo!