quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Beijos

Autora: Louise Labé, em 1555.

“Beijai-me agora, e muito, e outra vez mais,
Dai-me um de vossos beijos saborosos
E depois, dai-me um desses amorosos
E eu pagarei com brasa os que me dais.
Virei vos socorrer, se vos cansais,
Com mais dez beijos longos, langorosos,
E assim, trocando afagos tão gostosos.
Gozemos um do outro, em calma e paz.
Vida, em dobro, teremos, sendo assim;
Eu viva em vós e vós vivendo em mim.
Deixai que vague, pois, meu pensamento:
Não dá prazer viver bem-comportado;
Bem mais feliz me sinto, e contentado,
Quando cometo algum atrevimento.”

Um comentário:

Ilza Nascimento disse...

Adorei o que é dito sobre "ser bem-comportado". Não dá pra ser certinho o tempo todo! Arriscar algum atrevimento gostoso às vezes faz tão bem! Nos aproxima muito mais da nossa condição humilde de humanos. Beijos!