terça-feira, 17 de junho de 2008

A revolução dos probos. (SR)

Autor: Sergio L. M. Rocha (*)

Diante a tudo que temos assistido nos últimos tempos, a única saída que vejo para o nosso país, são as pessoas que se consideram probas reagirem promovendo uma nova revolução.

Não uma revolução pelas armas de fogo, mas sim pelo fogo das armas do bom comportamento, da ética, da honestidade, da dignidade, do profissionalismo, do bom caráter, da solidariedade, do respeito à coisa pública, da integridade, do valor pessoal, da moral, do cumprimento às leis.

Os probos, por mais humildes que sejam, precisam reagir de forma firme e contundente, ao invés de ficarem apenas indignados e reclamando com seus conhecidos ou pelos jornais.

Os probos precisam se orgulhar do que são, precisam assumir publicamente, de maneira clara e inequívoca, a defesa daquilo que acham certo e errado, sem medos.

Os probos, no meio em que vivem, precisam lutar contra os maus cidadãos, seja quem for - corruptos e corruptores; desonestos; seguidores da ”lei de Gérson” – “o negócio é levar vantagem em tudo, certo!”, ou de Maquiavel onde “os fins justificam os meios”; os pequenos ditadores; os não éticos; os pústulas que estão entranhados em todos os segmentos da sociedade.

Roubar, enganar, tripudiar, passar os outros pra trás, têm que ser repelidos pela grande maioria da população. Não podem de maneira alguma constituir algo que valorize a pessoa que se julga a mais “esperta” ou “ a maior”, por que o resto é otário.

Os probos conhecem bem os que prestam e os que não prestam no seu pequeno círculo de convivência, sejam amigos, colegas, parentes, etc.

Precisam lutar para assumir posições decisórias, precisam se organizar, precisam desenvolver mecanismos que lhes permitam identificar melhor os que dele se aproximam ou quem ele convivem, e principalmente, constituir uma grande comunidade de probos.

Os pústulas manifestam abertamente suas posições e se orgulham disso e por isso se fortalecem, atraindo desta forma outros indivíduos que como eles , pensam e agem.
Diz o velho ditado que “pássaros de mesma pena voam juntos”, então porque os probos também não passam a assumir abertamente suas posições e valores, atraindo assim os seus semelhantes.

Que a revolução dos probos se faça logo, para o bem de todos e do nosso país.


(*) Sergio L. M. Rocha é Administrador de empresas CRA-RJ e Consultor.

2 comentários:

iara-alencar disse...

Oi Sérgio,
Desculpe, mas o que é "Probos"?

Sergio Rocha disse...

Oi
Probo são pessoas de caráter íntegro; honesto, honrado, reto, justo.

Abs